FANDOM




O lobo que caça sob o sol da meia-noite nas florestas do norte.

Hilda de Polaris

A Estrela Épsilon, Fenrir de Alioth, (ε星アリオトのフェンリル; Eppishiron-Sei Arioto no Fenriru; Epsilon Alioth Fenrir) é um dos 7 Guerreiros Deuses de Asgard na série Os Cavaleiros do Zodíaco, de Masami Kurumada.

Origem do nome

Fenrir, do Nórdico Antigo "aquele que caminha nas zonas úmidas", é um dos nomes de Fenris,um lobo monstruoso na mitologia nórdica, destinado a devorar Odin durante Ragnarök (Ragnarøkkr; destino/crepúsculo dos deuses), o apocalipse nórdico.

Características

Aparência

Informação pendente.

Personalidade

Fenrir demonstra uma personalidade agressiva, tal igual os animais que tem por companheiros. Seu modo de portar-se diante um inimigo é quase zombeteira. Ele também não gosta quando trocam suas palavras.

Quando pequeno ele se mostrava mais doce e preocupado com sua família.

Infância

Fenrir é salvo pelos lobos

Fenrir é salvo pelos lobos.

Fenrir pertencia a uma distinta e poderosa família de Asgard, os Fenrir. Aos seis anos de idade, foi passear pelas florestas de Asgard com sua família junto de alguns amigos, presenciando seus pais serem atacados e mortos por um enorme urso. Desesperado, pediu por socorro, mas todos os "amigos" de seus pais o abandonaram. Fenrir acaba salvo pelo lobo Ginge e sua alcateia. Desde então perdeu a confiança nas pessoas, passando a viver junto aos lobos. Anos mais tarde, Hilda de Polaris, após ser dominada pelo Anel de Nibelungo, vai até Fenrir, concedendo-lhe a Robe de Alioth.

História

Shiryu de Dragão é o próximo a entrar em combate. Parando frente uma cascata congelada, o Cavaleiro de Bronze
Fenrir atiça seus lobos contra Shiryu

Fenrir atiça seus lobos contra Shiryu.

se vê cercado de inimigos incomuns; lobos... Vários deles. A um comando os animais investem contra o cavaleiro, não poupando esforços em suas tentativas de dilacerá-lo. Shiryu consegue defender-se bem, mas o número de animais, a certa altura, parece demais até para um Santo de Atena. Soterrado por uma avalanche de lobos, Shiryu utiliza o Cólera do Dragão, matando seus oponentes. Isso força seu verdadeiro inimigo a agir. Com outro comando, o Guerreiro Deus de Alioth, Fenrir, manda Ginge e os lobos remanescentes recuar.

Fenrir se apresenta, demonstrando profundo pesar pela perda de tantos lobos. Sem enxergar Shiryu como um oponente a altura, Fenrir toma a ofensiva. Shiryu defende-se com seu Escudo do Dragão, evitando danos maiores. Mas os golpes com rajadas múltiplas de cosmo deixam marcas de garras visíveis por todo seu corpo, e o Cavaleiro de Dragão acaba contra a parede. Recompondo-se, Shiryu não tem tempo para bolar uma estratégia. Fenrir dispara sua Garra do Lobo Assassino, com resultado devastador. Aproveitando a oportunidade, o Guerreiro Deus movimenta-se para junto de Shiryu e, cara a cara, utilizando as garras de sua Robe, atinge os olhos do cavaleiro.

Shiryu não está cego, porém o sangue e a friagem impedem-no de enxergar direito. Fenrir chama Ginge,
O lobo assassino do norte ataca implacável

O lobo assassino do norte ataca implacável.

aparentemente intencionando encerrar a luta. Movendo-se e cheirando exatamente como os lobos, Shiryu tenta se concentrar em quem realmente deveria direcionar o seu golpe. O grande lobo ataca. Shiryu percebe e reorienta seu escudo, a tempo de proteger-se. Repelindo a fera, Shiryu tem Fenrir a poucos passos. Disparando o Cólera do Dragão, o Guerreiro Deus agilmente evita o golpe. Fenrir zomba, triunfante. A técnica máxima do Cavaleiro de Dragão simplesmente não era uma ameaça.

Fenrir já se proclama vitorioso. Tendo o Dragão na mira, ele volta a atacar. Dessa vez Shiryu foi capaz de se esquivar, um esforço que não lhe rende nada. O Guerreiro Deus atinge Shiryu diversas vezes, o mandando para o fundo da base congelada da cascata. Lá, golpe após golpe, Fenrir só se contém quando Shiryu cai de bruços, numa poça de sangue.

Ginge e outros lobos se aproximam. Fenrir da permissão para devorarem-no, chegando a brincar por não poder garantir se seria saboroso. Os lobos são cautelosos, aproximando-se devagar. Gingue lambe o sangue empoçado, aparentando ter gostado. Mais confiante, o animal se aproxima da cabeça do Cavaleiro, sendo violentamente repelido.

A resistência de Shiryu é rapidamente suprimida por Fenrir que o golpeia sem piedade. Novamente o cavaleiro está em desvantagem, mas lembrando-se do sacrifico de Shura de Capricórnio, bem como de seu pedido de que continuasse a proteger Atena, fazem o Dragão reagir.

Shiryu reafirma seu compromisso com a justiça, bem como a intenção de livrar Hilda do mal, e pede ao Guerreiro Deus sua confiança. Fenrir dá como resposta um riso de escárnio, afirmando que confiava apenas nos lobos. O Cavaleiro tenta dialogar, referindo-se a amizade como base da convivência harmoniosa entre as pessoas. Em vão. Fenrir volta a repetir que só confiava nos animais que o acompanhavam. Perturbado, Shiryu pergunta o que tinha acontecido a Fenrir para pensar daquele. O Guerreiro Deus consente.

Fenrir chora sobre o corpo de seu pai

Fenrir chora sobre o corpo do pai.

Em um dia de sol, Fenrir, então um garotinho de seis anos, saiu em companhia de seus pais e amigos destes para cavalgar na floresta. De repetente, a montaria de sua mãe relincha e empina, jogando a mulher ao chão. Um enorme urso bloqueia o caminho. Imediatamente seu pai parte em seu socorro, mas o animal consegue acertá-lo. Horrorizados, todos voltam por onde vieram, abandonando Fenrir e seu pai que, sem ter como resistir, também acaba atacado e morto. É quando surgem Ginge e sua matilha, que imediatamente atacam o urso, conseguindo afugentá-lo. Na luta, Ginge acaba ferido na cabeça, a quem Fenrir trata.

Naquele instante, um elo inquebrável entre Fenrir e os Lobos é consolidado. Após a trágica morte dos pais, todos que se diziam amigos da família, viraram as costas. Fenrir e os lobos passaram a viver na antiga residência da família, em meio a lenta e continua degradação do lugar. Fenrir aos poucos ganha a influência dos lobos, unindo-se a estes quando iam caçar. Juntos, cérebro e força, trabalho de equipe e estratégia, fez fortalecer a confiança, já não havendo distinção entre o humano e o lobo.

De volta a realidade, Fenrir reitera sua confiança para com os lobos. Shiryu é capaz de entender o ponto de vista do Guerreiro Deus e tenta dialogar, perguntando se a desconfiança nos humanos também se estendia a Hilda. Fenrir responde que Hilda era uma deusa, tendo Gingue e os demais lobos a obedecido tão logo a viram.

A luta se reinicia, com os lobos atacando e Shiryu os derrotando. Dessa vez é Shiryu que previne Fenrir de que o golpe da Garra do Lobo Assassino não funcionaria. A resposta do Guerreiro Deus vem na forma de uma nova técnica: Golpe do Lobo Imortal.

As projeções de cosmos que Fenrir dispara tomam a forma de lobos, lançando o cavaleiro contra a parede. Os lobos aproveitam a oportunidade conseguindo fincar os dentes no Santo de Bronze. Shiryu implora a Fenrir que os chamasse, mas é o cosmo de Atena que atende aos suplício do cavaleiro. Os animais deitam submissos, rodeando Shiryu que, aos poucos, põem-se de pé. Fenrir jura irá destruí-lo. Seria uma luta entre aquele que confiava nos lobos contra quem confiava nas pessoas. Avaliando-se por um momento, ambos disparam suas técnicas: Golpe do Lobo Imortal, Cólera do Dragão. É a técnica de Fenrir que prevalece e Shiryu é novamente levado ao chão. Os lobos tornam a atacar, e, mais uma vez, o cosmo de Atena os amansa. O efeito, porém, é temporário, e com ferocidade, os animais cobrem o cavaleiro, acabando por serem repelidos pelo cosmos do Dragão.

Shiryu se levanta, finalmente seu cosmo toca o sétimo sentido. O aumento de poder faz diferença quando o cavaleiro desvia de um ataque e consegue, desde o começo da luta, atingir um golpe em Fenrir, dizendo que os Cavaleiro de Bronze também são órfãos. Shiryu vai além, dizendo que apesar dos pesares, nunca deixaram os traumas da vida prevalecerem, com isso dizendo ao Guerreiro Deus que o mesmo não passava de um ser amargurado. Golpeado por mais uma segunda vez, os lobos protegem Fenrir. O Guerreiro Deus não se deixa atingir pelas palavras de Shiryu, e mais uma vez ataca com o Golpe do Lobo Imortal. Shiryu faz o mesmo, usa o Cólera do Dragão. A colisão dos golpes abre enormes fendas no gelo, mas em termos de causar danos, ambos saem ilesos. Shiryu consegue esquivar-se dos sucessivos ataques, mas sem poder enxergar direito tem dificuldades de manter o ritmo. A luta, daquele jeito, tão cedo não seria definida.

O tempo não está a favor do Cavaleiro. Mesmo o poder de seu cosmo tendo aumentando, ainda estava em desvantagem. Sem opções, Shiryu decide usar a geografia do campo de batalha a seu favor. Fenrir entende que o cavaleiro usaria a Cólera do Dragão, e zomba pelo fato de já conhecer a técnica. Shiryu prossegue, e atira seu Cólera do Dragão ... Contra a cascata congelada. Uma enorme avalanche se forma, arrastando tudo e a todos.

Ginger tenta reanimar Fenrir, morto pela avalanche

Fenrir morto. Ginger ainda tenta reanimá-lo.

Ginge e outros lobos são os primeiros a emergirem da neve. Sentindo um cheiro familiar, o grupo começa a escavar. Pouco depois, Shiryu aparece. Observando o trabalho dos lobos, Ginge é quem localiza o corpo inerte do Guerreiro Deus. Os animais tentam reanimá-lo, constatando o inevitável: Fenrir está morto. Um uivo de lamento corta o ar, enquanto Shiryu obtém a safira de Odin. Apesar dos contratempos, o cavaleiro não deixa de sentir pena do triste destino que moldou a mente de Fenrir e reza, para que numa próxima vida ele possa confiar nas pessoas. Dando as costas, Ginge e os lobos, enraivecidos, partem pra cima do cavaleiro. Se com intenção ou não, o ato vingativo dos lobos os fazem, junto a Shiryu, cair para um abismo. Por vestir uma armadura, Shiryu somente perde os sentidos. Ginge e todos os lobos remanescentes morrem.

Habilidades de Luta

Fenrir evita o Cólera do Dragão

Fenrir consegue evitar o Cólera do Dragão.

Como foi dito no Episódio Zero, ele e os outros guerreiros deuses são tão poderosos quanto os cavaleiros de ouro. Ferir possui uma agilidade incrível, pois consegue evitar todos os ataques "Cólera do Dragão" de Shiryu de Dragão, independente do nível de poder que este tenha aplicado ao golpe. Além de domar os lobos, seu cheiro e movimento se iguala aos deles, fazendo com que a visão seja o único sentido pelo qual um inimigo poderia diferencia-los.


Técnicas Secretas

Garra do Lobo Assassino

Garra do Lobo Assassino

Golpe do Lobo Imortal

Golpe do Lobo Imortal

Curiosidades

Guerreiros Deuses de Asgard
Deus Odin
Representantes de Odin Gothi: Durval; Representantes Terrenos: • HildaAndreas (não-reconhecido) • Lifya (legítima)
Soldados Soldados Rasos
Guerreiros Deuses de Durval LokiMidgardRungUr
Guerreiros Deuses de Hilda Siegfried de DoubeHagen de MerakThor de PhecdaAlberich de MegrezFenrir de AliothShido de MizarBado de AlcorMime de Benetnasch
Guerreiros Deuses de Andreas Frodi de GullinburstiFafner de NidhöggHeracles de TanngrisnirSurtr de EikthyrnirSigmund de GraniBaldr de HraesvelgrUtgarda de Garm
Outros personagens FreyFreya (filme)Freya (anime)Lifya
Utensílios e objetos sacros Espada BalmungSafiras de OdinGod Robes