FANDOM


Gaia (ガイア?) é a entidade primordial representante da Terra. Ela foi a principal conspiradora por trás da queda de seu irmão e marido, Urano, através de seus filhos, os Titãs. No entanto, com a derrota de seus filhos pelas mãos dos Deuses Olímpicos, durante a era mitológica, Gaia se uniu ao Tártaro para gerar os Gigantes a fim de executarem sua vingança contra os usurpadores. Em última análise, com a também derrocada deles, ela acabou sendo banida para as profundezas do inferno primordial e fora selada impotente no Altar da Terra. Só que com a chegada do século XX, o poder remanescente dela fora capaz de libertar seu irmão Pontos de seu confinamento, que então instigou o inicio de uma nova Titanomaquia a fim de tomar a fonte dos poderes dos Titãs unicamente para revive-la.

Etimologia

Na mitologia grega, Gaia (em grego: Γαîα, transl. Gaea, lit."terra"), também chamada de Geia ou Gé, era a deusa primordial que personificava a terra. Ela era uma antiga divindade ctônica e era considerada a Deusa Mãe de toda a vida. Gaia também é conhecida como Mãe Terra. Gaia criou Urano e juntos geraram os Titãs elementares como Oceano (mar), Hyperion (sol pré-olímpico), Iapeto (pai de Prometheus), Reia, Mnemosine (memória), Febe (Luz), Tetis (esposa e irmã de Oceano, mãe dos rios do mundo) entre outros. Depois que nasceram, Cronos, o astuto, mais jovem e mais terrível de seus filhos, que odiava seu pai, foi solicitado por Gaia a punir Urano por mandar seus primeiros filhos para o Tártaro. Empunhando uma foice, Cronos castrou seu pai e jogou seus testículos no mar, cuja espuma criou Afrodite. Depois disso, Cronos governaria o mundo até ser derrubado por Zeus e seus irmãos. Outras criaturas nasceram de Gaia além dos Titãs, como os Ciclopes Anciões, os Hecatônquiros, os Gigantes e a serpente Python. Ela também é avó de todos os Monstros Marinhos. Seu equivalente romano é chamado de Terra.

Características

Personalidade

Gaia e os Titãs

Gaia com seus filhos Titãs.

De muitas maneiras, Gaia é a mãe ideal, sendo carinhosa e amando seus filhos em primeiro lugar. Ela fará de tudo para protegê-los, mesmo que isso signifique tomar as medidas mais extremas. É por causa dessa proteção que ela é conhecida por ser muito cruel com qualquer um que as ameace. Estranhamente, isso inclui os deuses, que são seus próprios netos. Gaia também é muito manipuladora e vingativa, preferindo que os outros "sujem as mãos" antes dela, como convenceu seus filhos a matar seu próprio pai devido suas ações tiranas. Da mesma forma, ela fez com que o Tártaro gerasse junto dela os gigantes como retaliação pelo que os Olimpianos fizeram com os titãs.

Como seus irmãos primordiais, Gaia é uma deusa com um forte senso de territorialismo sobre seus domínios. Ela pode ser uma deusa criativa, mas não se importa em ter que destruir vidas daqueles que se põe em seu caminho para alcançar seus objetivos, como evidenciado em suas ações ao longo da era da criação. Ainda que tenha afeição por seus filhos, ao que parece, seu próprio bem-estar e autopreservação são sempre mais importantes para ela.

Após milênios selada nas profundezas do Tártaro, Gaia se sentia humilhada e usurpada pela forma que havia sido aprisionada entre a vida e a morte bem como por ter seu estado como divindade suprema da Terra completamente retirado pelos deuses. Ela ficou tão obcecada em recuperar sua posição no universo que estava disposta em seguir o plano de Pontos em reerguer os Titãs e instigar uma nova Titanomaquia apenas para roubar as Sohmas deles quando fossem derrotados pelos Cavaleiros de Atena a fim de se libertar do selo que a restringia. Gaia também não se importou de absorver secretamente a energia de seus filhos, o que os fez renascer com seus poderes incompletos, de modo a garantir a derrota deles pelas mãos dos Cavaleiros de Ouro.

Aparência

Gaia selada aparência

Gaia após ser selada.

Originalmente, Gaia era uma deusa alta, de pele morena, esguia e de corpo curvilíneo e com longuíssimos cabelos claros sedosos que alcançavam o chão. Durante os primeiros dias da criação, ela tinha seu corpo envolvido apenas pelo que parece ser um longuíssimo rosário assimétrico e quando Urano surgiu, usava um longo vestido branco regata e alças curtas em conjunto com anéis, colar e pulseiras como acessórios.

Milênios depois de ficar selada no Altar da Terra, Gaia sofrera uma mudança considerável. Ela ficou com os cabelos a altura dos ombros, ondulados e esvoaçantes, cuja franja cobria seus olhos completamente. Como traje, ela passou a usar um elaborado vestido escuro longo adornado com grande botões, aberto e decotado, acoplado com uma gargantilha de pano, mangas compridas e aberturas laterais na saia. Na região dos pulsos, corpo e das coxas, ela tem seu traje preso com finas cordas de couro escuro. Por causa de seu confinamento, Gaia passou a ficar ocasionalmente com seus braços cruzados e entrelaçados em seu corpo.

Histórico

Era da Criação

Nascimento e Primeiros Dias

Gaia nascimento

O surgimento de Gaia no universo.

Sendo uma dos primordiais, Gaia é uma descendente do Caos.[1] Juntos, ela e seus outros irmãos deram continuação a criação o universo. Desejando inspecionar seu trabalho, por ser a própria Terra personificada, Gaia moldou seus domínios a fim de que se tornasse o centro de onde toda a vida começaria no cosmos, o que a fez se tornar a Mãe Terra (マザーアース, Mazāāsu). Posteriormente, Gaia escolheu seu irmão Urano, a encarnação dos Céus, como seu marido. Enquanto o mesmo criou sozinho as montanhas, nuvens, rios e as primeiras fontes de vida no mundo, ao se unir com ele, Gaia gerou os primeiros deuses.[2] Em torno desta época, quando Urano tomou o domínio completo do universo, reinando sobre os outros deuses e seres vivos, Gaia se tornou sua rainha. Pouco tempo depois, da sua união com Urano, nasceram os Hecatônquiros e os Ciclopes.

Todavia, apesar de Gaia adorar todos os seus filhos, Urano não amava nenhum de seus primogenitos e se ressentia deles, principalmente por causa de suas formas grotescas. Embora tenha prostestado contra a tirania de seu marido, Gaia fora capaz apenas de assistir impotente Urano acorrentando os Hecatônquiros e os Ciclopes antes de bani-los para as profundezas do Tártaro. Posteriormente, ela teria com Urano os doze Titãs: Oceano de Dilúvio, Hyperion de Ébano, Céos de Relâmpago Negro, Créos de Galáxia, Iapeto de Dimensão, Téia, Reia, Mnemosine, Febe, Tétis, Têmis e Cronos. Entretanto, igual a seus primeiros filhos, Urano os odiava, mas não tanto quanto os anteriores e, como tal, não se livrou deles. Só que devido ao seu narcisismo e obsessão pelo poder, ele até se recusou a reconhecer a força de seus filhos remanescentes.

Ascensão dos Titãs

Coroação de Cronos

Gaia coroa Cronos como novo Rei do Universo.

Enfurecida e irritada tanto com a crueldade quanto as ações de Urano contra seus filhos, Gaia secretamente criou doze armas poderosas capazes de tirar a vida dos deuses e reuniu seus filhos, tentando então convence-los a usar as armas recém forjadas para matar Urano e assim tomar seu lugar como rei do cosmos. Todavia, todos os Titãs eram ambivalentes com a perspectiva de matar seu pai devido temerem sua ira e saberem do quão assombroso era seu poder, apesar de todos o odiarem. Foi então que o mais jovem e corajoso deles - Cronos - se voluntariou para executar a tarefa. Dando a ele a Megas Drepanon, Gaia orquestrou a emboscada de Urano e assistiu quando o mesmo fora morto por seu filho mais novo, desconsiderando as últimas palavras de seu moribundo marido que amaldiçoou Cronos dizendo que um dia ele também seria morto por seu próprio filho mais novo. Após o assassinato, logo após tanto os Hecatônquiros quanto os Ciclopes serem libertados das profundezas do Tártaro, Gaia proclamou Cronos como novo senhor do universo e o coroou como Rei dos Titãs.

Pouco antes de mergulhar em um sono profundo e ficar inativa, Gaia se tornou consorte de seu irmão Pontos, o mar mundial encarnado, e teria Euríbia com ele.

Era Mitológica & Gigantomaquia

Tifon Episodio G

Tífon, o deus dos gigantes criado por Gaia para destruir os Olimpianos.

Durante seu sono, desconhecido para Gaia, Cronos se tornou tão tirano quanto Urano em sua regência sobre o universo devido seu medo de ser destronado de acordo com a profecia de seu pai crescendo e pervertendo sua mente, tendo inclusive lançado novamente os Hecatônquiros ao Tártaro e os deixado sobre o controle de Iapeto. A maldição acabou se concretizando, como o filho mais novo de Cronos, Zeus, unido com seus irmãos e aliados, derrubaram os Titãs e tomaram o controle do universo em seu lugar.

Ao despertar e descobrir o destino de seus filhos, Gaia ficou furiosa e louca por vingança. Ela então passou a continuamente dar a luz a inúmeras criaturas, concebendo secretamente os gigantes em uma caverna no norte da Grécia junto do Tártaro.[3] Por retaliação pelo que acontecera com seus filhos, ela criou a maior arma biológica do seu tempo, Tífon, que liderou os gigantes em outra guerra contra os deuses olímpicos, que ficaria conhecida como Gigantomaquia.[2] Enquanto estava com todo o seu poder, Tífon com seu terror conseguiu fazer Zeus fugir, mas este acaba derrotando e selando o deus dos gigantes.[2][3] Após este evento, Gaia perdeu o controle sobre a Terra e fora expulsa de sua posição como Deusa da Terra.

Confinamento

Altar da Terra

Gaia selada no Altar da Terra.

Banida para as profundezas do Tártaro, Gaia fora selada no centro do Altar da Terra: um local formado por pilares rochosos e uma fonte de água corrente constante. Lá, ela fora condenada a flutuar constantemente de forma suspensa em uma especie de turbilhão de águas entre a vida e a morte em um estado adormecido quase totalmente inativo, sendo consequentemente esquecida pela humanidade ao longo das eras seguintes. Todavia, em algum ponto do tempo, ao descobrir o destino de sua amada, Pontos tentou o possível para libertar Gaia e trazer o mundo de volta para ela, porém, o mesmo acabou sendo também derrotado pelos deuses olímpicos e acabou selado no antigo Egito, em um túmulo profundo perto da represa de Asuan por milênios.

Século XX

Rumo a Libertação

Pontos falando com Gaia selada

Pontos observa Gaia selada.

Milênios depois de aprisionamento, usando o poder remanescente que lhe restava, Gaia libertou Pontos de seu confinamento. O mesmo então foi ao Tártaro tentar resgatá-la usando seu próprio poder acreditando que o selo havia se enfraquecido, entretanto, ele ainda estava intacto. A fim de libertá-la, Pontos percebeu que precisaria de todas as Sohmas dos Titãs para romper o selo, dado que as armas eram feitas com o poder da Mãe Terra. Por causa disso, após "ressuscitar" Oceano dos restos de Apófis, ele passou a agir como um servo dos Titãs a serviço de Cronos, liberando os Soldados Giga-deuses do Tártaro e os demais Titãs alternadamente para multiplicar os bons augúrios e, por meio de ações sutis, colocou tudo no lugar para a ascensão de Gaia, dando assim inicio a uma nova Titanomaquia.

De modo a garantir que os Titãs fossem derrotados para tomar suas Sohmas, Pontos trabalhou junto a uma entidade misteriosa em conjunto com Mnemosine e Prometeu para drenarem secretamente os poderes divinos deles a fim de transferi-los para Gaia, o que a fortaleceu o suficiente para manter sua consciência por curtos períodos de tempo.

Segunda Titanomaquia

Pontos se reune com Gaia no Altar da Terra

Pontos se reúne com Gaia no Altar da Terra.

Quando Cronos enfim reencarna e seus domínios se reerguem no Tártaro, Pontos deixa os titãs para seus negócios e vai para o local onde Gaia esta confinada. Quando a mesma tem consciência de sua presença, ela pergunta quanto tempo mais terá que se banhar nessa água amarga e sofrer essa humilhação de estar afastada de sua posição divina. Pontos então a tranquiliza, explicando que tudo estava configurado a seu favor. Antes de mais uma vez cair em suspensão, Gaia confia no poder do Cavaleiro de Ouro para dissipar a "escuridão" que enche o mundo apenas para garantir que ela retomasse a Terra quando ressurgisse.

Em última análise, apesar da derrota dos Titãs, a nova titanomaquia terminou sem Gaia despertar por completo dado que a Sohma de Cronos acabou caindo nas mãos de Hades. No entanto, Pontos afirma que ainda tinha poder suficiente para dar continuidade a seu plano de libertar Gaia.

Habilidades

Como uma dos primordiais e proclamada como a "Mãe de Toda Existência", Gaia é uma das entidades divinas mais poderosas existentes a ponto de ser considerada uma existência superiora aos Quatro Grandes Deuses (四大神々, Shidai Kamigami). Além disso, ela é implicitamente a deusa mais forte da série, dado que foi a primeira a surgir no universo. Outra prova de seu extraordinário poder é que mesmo despojada de sua posição divina e estando selada por milênios no Tártaro, Gaia poderia usar a força remanescente que lhe restava para libertar Pontos de seu selamento na Terra. Todavia, apesar de sua posição divina absoluta, ela não era mais poderosa que Urano, já que não ousou enfrentá-lo sozinha quando o mesmo era o todo-poderoso rei do cosmos.

Capacidades

  • Domínio do Cosmo: Como uma divindade, Gaia usa o cosmo como sua fonte de energia e por ser a deusa primordial que personificava da Terra, seu nível de controle era, presumidamente, ainda mais refinado e superior se comparado aos das demais divindades que vieram posteriormente. Do mesmo modo, seus níveis de poder cósmico são, provavelmente, quase imensuráveis.
  • Domínio do Nono Sentido: Por ser uma deusa, Gaia detinha o controle da Suprema Virtude. No entanto, por ser uma divindade primordial surgida da Grande Vontade do Caos, Gaia detinha um domínio absoluto nesta província comparável a seu irmão e marido Urano, como ela fora a primeira divindade a tomar o encargo de estabelecer seus domínios como o centro da vida no universo.[1][2] No Episódio G, é dito que Gaia detinha acesso tanto do Dunamis quanto o Eskatos Dunamis, que representam o "Cosmo da Criação" (創造のコスモ, Sōzō no Kosumo) e o "Poder Absoluto" (太極, Taikyoku) respectivamente.
  • Imortalidade: Como um dos primeiros seres divinos a surgirem na existência, Gaia é quase completamente invulnerável a qualquer maneira que tentasse destruir sua forma física ou espiritual.
  • Aptidão Física: Embora suas proezas físicas sejam altamente desconhecidas, Gaia presumidamente possui uma durabilidade imensurável mesmo para os padrões divinos, como ela gerou uma infinidade de seres vivos desde a era da criação. Sua resistência também é sem parâmetros, como mesmo estando fortemente selada e em estado de suspensão no Tártaro, Gaia ainda poderia manter uma pequena parte de seus poderes.
  • Domínio da Criação e Destruição: Devido a seu controle sobre o nono sentido, Gaia fora capaz de gerar entidades e seres divinos com (ou sem) seus consortes, inclusive monstros poderosos o suficiente para desafiar e até mesmo potencialmente derrotar outros deuses, como os gigantes e Tifón, o que a fez ser venerada como a Deusa Mãe (母の女神, Haha no Megami) e progenitora da vida. Da mesma forma, Gaia tem níveis extremos de poder sobre a destruição que superavam até mesmo os de seus outros irmãos primordiais, visto que ela poderia até mesmo matar seres imortais, inclusive os gerados por si mesma, algo que nem mesmo Urano não podia fazer.
  • Titan 12singuG

    As Sohmas dos Titãs criadas por Gaia.

    Domínio da Natureza e dos Elementos: Como a incorporação física da terra, Gaia tem autoridade divina e controle absoluto tanto sobre as energias da natureza quanto os elementos que a compõe, tais como as rochas, as plantas, metais e afins. Por ser o próprio planeta, ela também sabe de tudo que acontece nele, mesmo sendo despojada da maior parte de sua potência divina. Através de seu controle de seus domínios, ela fora capaz de gerar doze armas para os titãs poderosas o suficiente para destruir os corpos e almas de outras divindades, inclusive dos primordiais.
  • Estilo de Luta: Embora suas competências em combate sejam altamente desconhecidas, Gaia fora vista segurando um grande cajado, o que sugere que ela pode ser hábil em usá-lo.

Técnicas Especiais

  • Obs: Embora Gaia não mostrou nenhuma técnica, por ter criado todas as armas dos Titãs, é implicito que ela possui os poderes de todos seus filhos. 

Frases

Flutuando em águas amargas há tempos e tempos... Até quando devo suportar esta humilhação... Eu continuarei neste berço de morte para sempre...?

Gaia para Pontos.

Dias e dias ultrajantes, sendo expelido do mundo que eu próprio criei. Para conseguir recuperar o mundo que um dia perdi... Gerei um infinito de vidas... E também... Destruí. Mas não precisarei mais fazer isso. O poder do Cavaleiro de Ouro dissipará toda a treva que cobre o mundo... E abrirá o portal para um novo mundo... Nesse momento... O mundo voltará a ser meu!

Gaia para Pontos.

Curiosidades

  • Gaia não é apenas uma deusa da terra e sim o próprio planeta personificado. Outras deusas, no entanto, são consideradas divindades da terra, como Reia e Atena.
  • Nos mitos, Gaia criou apenas a foice que Cronos usou para matar Urano.
  • Seu nome romano, Terra, é de onde vem a palavra "terreno".
  • O casamento de Gaia e Urano é um tema conhecido como hieros gaimos, uma união simbólica entre a Terra e o Céu que produz descendentes (a forma como a chuva fertiliza o solo e faz com que as plantas cresçam) e causa ordem e mudança para o mundo. Também costuma produzir uma revolução ou o fim de um regime mais antigo, como visto primeiro pelos Titãs e depois pelos Olimpianos.
  • No Episódio G, Gaia é creditada como a mãe dos Quatro Grandes Deuses do universo (Urano, Érebo, Eros e Pontos) ao invés de serem seus irmãos como o Hipermito descreve.

Referências Bibliográficas e Notas

  1. 1,0 1,1 Hipermito
  2. 2,0 2,1 2,2 2,3 Saint Seiya: Episódio G
  3. 3,0 3,1 Saint Seiya: Gigantomaquia
Divindades
Deuses Primordiais
(Episódio G)
Urano (o Céu) • Pontos (o Mar) • Érebo (a Escuridão) • Eros (o Amor) • Gaia (a Terra)
Deuses Olímpicos ZeusPoseidonHadesAtenaApoloÁrtemisAresHermesAfrodite
Clã dos Titãs
(Episódio G)
CronosHyperionCéosIapetoCréosOceanoRéiaTêmisMnemôsineTéiaTétisFebePrometeu
Clã dos Gigas
(Episódio G)
LyaxPhloxAnemosBronteSpateZugilosHoplismaDrakonThêr
Deuses dos Sonhos
(The Lost Canvas)
OneirosMorfeuFântasoÍceloFobetor
Panteão Egípcio
(Episódio G)
AnubisApófis
Panteão Celta
(The Lost Canvas)
LugBalorEthlinn
Panteão Asteca
(The Lost Canvas)
TezcatlipocaQuetzalcóatl
Panteão Romano MarteSaturnoDianaVulcanoBacoRômuloCupidoPlutão
Panteão Nordico OdinLoki
Outras Divindades TártaroCaosCronosKairosHypnosPallasThanatosDeimosFobosTifãoAbelNikéÉrisDeusEuríbiaPerséfoneApsu
Semideuses e portadores de Ikhor KardiaTenmaDohkoRadamanthysEdenShura (G) • Sigurd
Pseudodeuses AriaCavaleiro de OfiúcoFeiyanSagaBalder